Antonio Justel Rodriguez

INSTANTÂNEO E SUPLICAÇÃO




 
... mãe de todos os tempos, pega-me nos braços, abriga-me;
no enorme buraco do seu amor, olhe para mim e me reconheça,
sorria para mim, fale comigo;
... eu tremo, sinto frio e o vendaval da morte não para
nem a irrupção de montanhas e mares terríveis nas profundezas da alma,
e não, não a escuridão íntima, mãe,
  não, sem medo, sem angústia;
... antes de você eu grito como um deus caído,
qual homem,
que lírio ou animal eu era;
… São muitos, mãe, as minhas peças, as cicatrizes / alma, as suturas,
de todos os exílios e provações que venho;
... Não estou pedindo um lugar quente em casa, e não, não um sol, mãe;
apenas respire, faça uma pausa na dor, apenas, apenas;
nós, filhos de Caim, crescemos com a guerra.
***
Antonio Justel Rodriguez
https://www.oriondepanthoseas.com
***

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Antonio Justel Rodriguez.
Published on e-Stories.org on 08/31/2021.

 
 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Next title

More from this category "General" (Poems in portuguese)

Other works from Antonio Justel Rodriguez

Did you like it?
Please have a look at:


DEFINITION AND ASPIRATION - Antonio Justel Rodriguez (General)
RENAISSANCE - Mani Junio (General)
Apocalypse now - Heino Suess (Sorrow)