Flavio Cruz

Antigas sintonias e sonhos de uma nova era

 

 Examinava com atenção aquelas lâmpadas estranhas, de vários tamanhos, com aqueles araminhos incandescentes. Tentava descobrir seus segredos e seus mistérios. Havia também aquele cordão fino que se enrolava em duas roldanas, uma em cada lado da caixa. E havia outras coisas, enigmáticas, fascinantes, que eu não conseguia entender. Na frente do aparelho, do lado direito superior, havia uma pequena circunferência e, dentro dela, havia uma luzinha verde que escurecia e clareava, alternadamente. Tremeluzia. Na parte de baixo, um painel de vidro, onde estavam faixas escritas com números e pequenas letras. Ondas longas, médias, e curtas. E eu olhava lá dentro, excitado, tentando descobrir seu significado. E aquela caixa falava e cantava. Às vezes, a voz parecia distante, quase sumia. Ruídos indefinidos, indecifráveis, se misturavam com as canções que eu ouvia e com os relatos daqueles homens com timbres graves, vindo de não sei onde.

Esse era o pequeno aparelho de rádio que minha mãe ligava toda manhã, enquanto arrumava a casa. Era um daqueles bem antigos, como não existem mais. As lâmpadas estranhas eram as válvulas e as roldanas com um cordão era o dial das estações. Eu aprendi depois, que as ondas curtas eram exatamente as que vinham de longe, de outros países, ou de remotos cantos do Brasil. Sempre tentei entender por que as chamavam de “curtas”. Talvez por virem da distância, se misturassem com outros ruídos, tentando achar seu caminho pelos céus, para, depois de longa jornada, aterrissarem ali no nosso pequeno receptor. Encurtando distâncias?

Era só magia. E não era só isso, havia outras tantas surpresas para as crianças de nosso tempo. E nossas cabeças viajavam, em êxtase, por esse mundo fantástico, delicioso, sem fronteiras.

Depois, com o tempo, a vida e os adultos foram nos explicando como as coisas funcionam. Os segredos sumiram, e tudo ficou claro, mas ao mesmo tempo insípido e sem vida. Substituíram por plástico a graciosa madeira envernizada e demitiram aquelas válvulas pomposas. No lugar, circuitos e placas, sem graça e que mal se podem ver.

Nossos corações e nossas cabeças de adulto ficam agora, então, procurando esta graça perdida em outras coisas de nossa existência, mas ela não está mais lá. Ficou perdida para sempre no passado, como um tesouro que não podemos mais resgatar, e do qual podemos vagamente nos lembrar.

Hoje, vejo meninos e meninas com tanta explicação para tudo na vida, logo nos primeiros anos da infância. Sabem de tudo. Será que não lhes estão roubando a oportunidade de descobrir, de adivinhar?  Ou será que é como deve ser? Seriam assim os sonhos e as sintonias da nova era?

 

 

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Flavio Cruz.
Published on e-Stories.org on 11/10/2015.

 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Next title

Does this Poem/Story violate the law or the e-Stories.org submission rules?
Please let us know!

Author: Changes could be made in our members-area!

More from category"Childhood" (Short Stories)

Other works from Flavio Cruz

Did you like it?
Please have a look at:

Saudades da Ceclia - Flavio Cruz (General)
Heaven and Hell - Rainer Tiemann (Humour)