Flavio Cruz

Extremidades e extremistas

Todo mundo sabe que, quando o organismo humano é submetido a temperaturas muito baixas, as extremidades do corpo são as primeiras a serem privadas da circulação sanguínea, da força vital. Os dedos das mãos e dos pés ficam congelados. Só depois é que outras partes vão sofrer as consequências das intempéries. Por último, ficam os órgãos vitais, como coração e pulmões. A natureza, em sua sabedoria, sabe que de nada adianta salvar as mãos e os pés, se o coração parar de bater.Talvez seja por isso que a desgraça do mundo esteja nas extremidades. O insano e radical terrorista, que quer explodir tudo para expor suas ideias é tão ruim quanto o capitalista cruel que é capaz de sacrificar vidas humanas para aumentar seu lucro até o extremo.Quando a nossa civilização estiver chegando ao fim, as extremidades vão sumir primeiro. Vão restar apenas as pessoas cuja essência é o coração. E, para quem acredita em almas, depois do coração, só elas vão restar. No meio de tudo, dentro da essência, bem longe de tudo que é extremo...

Além disso, quem está nas duas pontas de tudo, se der mais um passo, pode cair no abismo.

 

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Flavio Cruz.
Published on e-Stories.org on 03/22/2016.

 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Next title

Does this Poem/Story violate the law or the e-Stories.org submission rules?
Please let us know!

Author: Changes could be made in our members-area!

More from category"Politics & Society" (Short Stories)

Other works from Flavio Cruz

Did you like it?
Please have a look at:

Palavra de cronista - Flavio Cruz (Lyrics)
Heaven and Hell - Rainer Tiemann (Humour)