Antonio Justel Rodriguez

INSTANTÂNEO E SUPLICAÇÃO




 
... mãe de todos os tempos, pega-me nos braços, abriga-me;
no enorme buraco do seu amor, olhe para mim e me reconheça,
sorria para mim, fale comigo;
... eu tremo, sinto frio e o vendaval da morte não para
nem a irrupção de montanhas e mares terríveis nas profundezas da alma,
e não, não a escuridão íntima, mãe,
  não, sem medo, sem angústia;
... antes de você eu grito como um deus caído,
qual homem,
que lírio ou animal eu era;
… São muitos, mãe, as minhas peças, as cicatrizes / alma, as suturas,
de todos os exílios e provações que venho;
... Não estou pedindo um lugar quente em casa, e não, não um sol, mãe;
apenas respire, faça uma pausa na dor, apenas, apenas;
nós, filhos de Caim, crescemos com a guerra.
***
Antonio Justel Rodriguez
https://www.oriondepanthoseas.com
***
 

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Antonio Justel Rodriguez.
Published on e-Stories.org on 08/31/2021.

 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Next title

Does this Poem/Story violate the law or the e-Stories.org submission rules?
Please let us know!

Author: Changes could be made in our members-area!

More from category"General" (Poems)

Other works from Antonio Justel Rodriguez

Did you like it?
Please have a look at:

Invitación a pie de obra - Antonio Justel Rodriguez (Life)
Birds of Paradise - Inge Offermann (General)
My Mirror - Paul Rudolf Uhl (Humour)