Antonio Justel Rodriguez

O VO DA LUZ


... e a manhã vem e nasce sozinha, clara, enorme, luminosa;
meu coração olha para ela e sabe, por um instante, que ela superará o tremor e o espanto inusitado,
e essa escuridão também vencerá, e isso também, também a morte;
[nascendo, nascendo e indo para a frente e para cima, e enchendo e subindo;
então, e hoje,
tal é e vai a luz]
e é que, às vezes, assim cresce e brilha a alegria, a imortalidade íntima,
até mesmo a ética do mal enquanto ruge, grita e esmurra, vendo seu fim, transfigurado,
em essências límpidas de amor e silêncio;
... ah, ah, se pudéssemos comprar esse prodígio com uma cesta de mercado;
ah, se pudéssemos irradiar seu poder através de cadeiras e tronos, através de púlpitos, estrados, parlamentos,
e ah, se pudéssemos lembrar dele e com ele, e dele, viver!
… muito ocupado, muito mortal e ainda muito frio na voz,
Muito demais;
... e com essa imensa verve - sublime, curativa e universal, e como de outro mundo -
tudo brilha, se preenche e desaparece para renovar suas forças, e rapidamente, e de cara nova,
Retorna;
… portanto, e sendo assim - diga-me - o vôo da luz, quem, quem o detém.
***
Antonio Justel
https://www.oriondepanthoseas
***

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Antonio Justel Rodriguez.
Published on e-Stories.org on 09/14/2022.

 
 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Next title

More from this category "General" (Poems in portuguese)

Other works from Antonio Justel Rodriguez

Did you like it?
Please have a look at:


POETZIE: vuur maken - Antonio Justel Rodriguez (General)
Tounge-Twisters - Jutta Walker (General)
Boules dargent - Rainer Tiemann (Remembrance)