Antonio Justel Rodriguez

CELEBRAÇÃO DAS ROSAS [Elegia íntima]


... agora, que te olho calmamente e vou passando as pontas dos meus dedos
pelos buracos sagrados de suas vértebras,
quando também aproximo meus lábios para te seduzir e te ressuscitar
e finalmente saber quem somos,
Oh, esse instante brutal com que irrompe o esquecimento está me assaltando as veias;
... e com esta vertigem, enquanto me declaro e me torno homem pelas tuas dunas solares,
que sombras e que desolação esperam depois dos últimos beijos e da última areia,
que tremor enquanto recolho luzes vivas e estrelas através do teu ventre,
e que silêncio sombrio, abismal e terrível eu invoco para que você não me ouça lutar
contra a verdade;
... e não, não sei onde colocar as hordas assassinas,
Não sei onde está a luz, nem como forjar a paz da dor do mar,
nem, nem esse meu hábito, de celebrar as rosas e a morte ao mesmo tempo.
***
Antonio Justel Rodríguez
https://www.oriondepanthoseas.com
***

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Antonio Justel Rodriguez.
Published on e-Stories.org on 12/19/2022.

 
 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Next title

More from this category "General" (Poems in portuguese)

Other works from Antonio Justel Rodriguez

Did you like it?
Please have a look at:


Quémame (o. de panthoseas) - Antonio Justel Rodriguez (Emotions)
Flying home - Inge Offermann (General)
Die Stadt an drei Flüssen - Paul Rudolf Uhl (Life)