Antonio Justel Rodriguez

Terra abandonada



... e não, ninguém mais virá aqui, ninguém mais passará as tardes sob o sol do outono

nem reparará os danos do tempo e do silêncio, ninguém,

nem ninguém se lembrará disso ali mesmo, debaixo das ameixeiras e dos salgueiros,

Eu gerei meu filho;

… o vento vai uivando no inverno, e até os lobos, os corvos e as brumas

passarão feridos pela solidão e irão muito longe,

pois temerão o encontro com a imensa angústia

que exalam as portas e as pedras quebradas, os beirais caídos,

a terra hostil e abandonada;

ninguém encontrará vestígios de uma amendoeira em flor,

ninguém o mar,

ninguém um caminho,

ninguém, ninguém uma luz;

... e se este dano enorme resultar no peito, sem mais delongas, irreparável,

uma ferida de amor, atroz e revivida, apodera-se da sua dor e devasta as palavras.

***

Antonio Justel Rodríguez

https://www.oriondepanthoseas.com
***

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Antonio Justel Rodriguez.
Published on e-Stories.org on 02/02/2023.

 
 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Next title

More from this category "General" (Poems in portuguese)

Other works from Antonio Justel Rodriguez

Did you like it?
Please have a look at:


WANNEER Plotseling EEN VERS - Antonio Justel Rodriguez (General)
Growth - Inge Offermann (General)
Emergenza primaverile - Antonio Justel Rodriguez (General)