Antonio Justel Rodriguez

Sob a tempestade

 
... Como nos aglomerados, a luz posa e gira no peito e colhe;
Enquanto isso, a manhã joga como Spears, Spears,
E, como beijos, chuva;
...
Você os ouve?
Oy você ouve como a terra áspera recebe
O nascer do sol
e papoulas e broto de jasmim?]
... sua respiração ardente Abrasa, e é aqui que o fogo converge com incêndios
e em sua virtude eles são tocados, derretidos e queimados;
... Nosso silêncio é puro e profundo na frente do terrível clamor do céu e da terra;
Tudo é valor e, no entanto, a chuva cai nos atordoa.
***
Antonio Justel/Orion de Panthoseas
https://www.oriondanthoseas.com
***

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Antonio Justel Rodriguez.
Published on e-Stories.org on 07/03/2023.

 
 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Next title

More from this category "General" (Poems in portuguese)

Other works from Antonio Justel Rodriguez

Did you like it?
Please have a look at:


OUR HOUSE - Antonio Justel Rodriguez (General)
Winter Day - Inge Offermann (General)
The Power of Darkness - Ramona Benouadah (Fantasy)