Antonio Justel Rodriguez

BRUTAL E ATROCIOSO


                                                  
                                                                                       […sob a ditadura de Franco]
  
…sempre adorei o brilho e só nos deixavam chorar à vontade;
borboletas negras brincaram com minha infância, e um amor precoce,
e um subúrbio de Deus para mentiras;
feito assim,
Qualquer adolescente implica sessenta quilos de tristeza, e fome e sede eternas,
e uma estrada drástica sem água nem palmeiras;
… meu povo e minha cidade eram foices e pedras antigas de segredos podres e contaminados nos ouvidos,
os mesmos que nunca levaram o vento, nem mataram uma faca, nem engoliram a terra;
…e todos, todos eram amigos e inimigos:
as velhas,
os magos,
os andorinhões<,
a torre da igreja,
o sol
e a cegonha;
e se olhando para a cegonha o sol brindou meu rosto,
Meus olhos secos pediam uma lágrima e meus pés pediam sapatos para correr e chorar,
esconder, finalmente, o que é brutal e atroz: a enorme ruína da guerra e do pós-guerra.
***
Antonio Justel/Orion de Panthoseas
http://oriondepanthoseas.com
***

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Antonio Justel Rodriguez.
Published on e-Stories.org on 02/23/2024.

 
 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Next title

More from this category "General" (Poems in portuguese)

Other works from Antonio Justel Rodriguez

Did you like it?
Please have a look at:


EVELINA NEZ - Antonio Justel Rodriguez (General)
Birds of Paradise - Inge Offermann (General)
Dans mon lit - Rainer Tiemann (Love & Romance)