Antonio Justel Rodriguez

VIA LÁCTEA


...tão, tão densa é a noite,
que olho para o céu perturbado por uma enorme leveza;
... onde, onde estou - digo a mim mesmo - e que deus é esse,
que me eleva tão alto, que me aprofunda e me mantém neste adarme de corpo,
E diante de tamanha imensidão ela agarra e corta meu peito como uma lâmina?
Quem, quem sou eu para começar a vida pela primeira vez nesta quietude do mundo
e anseia por um voo como a esperança?
...ao amor do caminho, os vaga-lumes gritam com sua luzinha,
enquanto comigo os véus de sangue e grama farfalham,
as pedras brancas e os choupos;
...mas a Via Láctea ainda é enorme e alta, e, meu querido Deus,
espalhe seus aglomerados celestes para que aqui, tão longe, eu não pegue fogo nem morra;
...esta noite, não, não poderei mais esquecer.
***
Antonio Justel/Orion de Panthoseas
https://oriondepanthoseas.com
***

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Antonio Justel Rodriguez.
Published on e-Stories.org on 04/11/2024.

 
 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Next title

More from this category "General" (Poems in portuguese)

Other works from Antonio Justel Rodriguez

Did you like it?
Please have a look at:


FICTIE EN POETISCHE EPIC - Antonio Justel Rodriguez (General)
Chinese Garden - Inge Offermann (General)
B E L I E V E - Marlene Remen (War & Peace)