Flavio Cruz

Um poema cheio de luz

E o poeta fez um poema,

um poema tão cheio de luz,

tanta era a luz que ele tinha,

que ele pairava no ar...

Era tão leve esse poema,

tão gentil, tão cheio de doçura,

que a toda gente encantava,

a todos enchia de amor...

Todos aqueles lindos versos,

a moça, que era tão carente,

logo, para si, tão somente,

quis, muito ansiosa, guardar.

Quis todos versos, um a um,

mais todas as sonoras rimas,

em sua alma, bem lá no fundo ,

com todo o ardor segurar...

Mas que nada, todo o esforço,

foi inútil, foi tudo em vão...

O poema de tão leve que era,

foi então subindo, subindo,

e lá em cima, lá nas nuvens,

com muitos anjos foi morar...

A moça, cá na terra, triste,

ninguém a podia consolar...

O poeta, gentil, então,

dela já se compadeceu.

Por que toda essa tristeza?

Por que tanto esse poema,

assim causou teu cobiçar?

Não vês que és tu, na verdade,

a única, ímpar, razão,,

desse meu febril poetar?

Como não vês que és tu mesma,

a luz, leve, doce, suave,

pairando tal qual bailarina,

etérea, divina, no ar?

 

 

 

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Flavio Cruz.
Published on e-Stories.org on 08/09/2021.

 
 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Next title

More from this category "Lyrics" (Poems in portuguese)

Other works from Flavio Cruz

Did you like it?
Please have a look at:


Grito da alma - Flavio Cruz (Life)
Love - Christina Dittwald (Emotions)